Sons e imagens transmitidas por quatro câmeras que captam o que acontece durante uma sessão de julgamento de cada Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). É com esse material assistido ao vivo e também gravado em vídeo que os taquígrafos do tribunal contam para realizar a indexação e a transcrição de cada fase processual que é lançada para consulta no processo eletrônico e no portal www.trf4.jus.br.

O sistema chamado Tela TRF4 entrou em funcionamento para o público externo na última terça-feira (27/1). Se antes da implantação os profissionais realizavam as transcrições após acompanhar o julgamento nas salas de sessões e tinham somente com o áudio gravado para a revisão das notas taquigráficas, agora os taquígrafos contam também com a tecnologia de gravação em vídeo para qualificar ainda mais o registro dos julgamentos.

“Antes do Tela TRF4 as notas taquigráficas registravam textualmente as manifestações orais das sessões de julgamento, a fase culminante do processo no tribunal. Agora, com o vídeo, temos acesso direto ao julgamento do processo, tanto ao vivo quanto posteriormente às gravações. Texto e vídeo são diferentes suportes de informação e, dada sua própria natureza, sem dúvida, o vídeo oferece um registro mais completo do julgamento”, explica Simone Glass Eslabão, diretora do Núcleo de Registro das Sessões e Eventos Judiciais do tribunal.

Com o Tela, cada taquígrafo conta com monitores na sua estação de trabalho, que mostram todos os enquadramentos das câmeras do julgamento, sem que precisem se deslocar até a sala de sessão. “Há mais segurança, a informação é mais fidedigna porque, além da indexação do vídeo ao processo eletrônico, se a parte ou o magistrado solicitar uma transcrição, com as imagens ela será mais completa”, analisa Regaldo Milbradt, gestor do projeto Tela TRF4.

Transparência

Mas a maior vantagem do sistema, apontada por todos, é a transparência. “O público externo vai ter acesso em vídeo ao conteúdo que antes era disponibilizado em notas taquigráficas somente aos magistrados, servidores e partes do processo. O Tela TRF4 garante mais acesso à Justiça”, reforça Milbradt.

O serviço de indexação dos vídeos em capítulos de cada fase processual é realizado pelos taquígrafos durante a própria sessão de julgamento. E o material é lançado no eproc – o processo eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região – em até 48 horas.

“Neste período é feita toda a revisão do material, que se torna uma peça processual: conferência dos dados do processo, marcações de início e fim de processo, indexação dos pontos chave do julgamento, como os votos dos magistrados, parecer do Ministério Público, tudo com a finalidade de facilitar a consulta dos usuários. E também são retiradas as partes irrelevantes, como os intervalos das sessões”, exemplifica Alexandre Antonini, diretor da Secretaria de Infraestrutura e Tecnologia do TRF4. A tendência é que os vídeos no eproc sejam disponibilizados em menos de dois dias, assim que forem realizados os ajustes no sistema de indexação.

2020 © Seal Telecom